Pasiones

segunda-feira, 30 de junho de 2014


"Tres pasiones simples 
pero abrumadoramente fuertes
han gobernado mi vida:
el anhelo de amor,
la búsqueda del conocimiento,
y una insoportable pena
por los seres humanos a los que les toca sufrir".

__________________________________________________________________________
Gostaria de fazer um COMENTÁRIO?... clique abaixo no link, escreva e mande.

Com pimenta é mais gostosa

sábado, 28 de junho de 2014

A organização civil estadounidense PETA (Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais) nos faz uma sugestão picante para abandonar a dieta da carne: botar pimenta numa nova dieta vegetariana. Para certas pessoas os vegetais podem parecer um tanto sossos mas se foram temperados com uma boa pimentinha o sabor já resulta mais atrativo. E assim também se respeita a vida dos animais e nossa própria vida, fazendo-a mais saudável e  menos violenta. 

As campañas da PETA são sempre muito criativas e, neste caso, tem uma singularidade deliciosa: o chamado para uma vida vegetariana (go veg) é feito a través de um provocativo veículo de carne bem mais gostoso que qualquer oferta da Friboit 
__________________________________________________________________________
Gostaria de fazer um COMENTÁRIO?... clique abaixo no link, escreva e mande.

  

Amor à distância

quinta-feira, 26 de junho de 2014



(A distância não faz esquecer o que a saudade insiste em lembrar). 

__________________________________________________________________________
Gostaria de fazer um COMENTÁRIO?... clique abaixo no link, escreva e mande.


Estupidez

sexta-feira, 20 de junho de 2014


"A maior parte dos seres humanos,  incluso aqueles que são inteligentes 
e até capazes de compreender problemas de ordem científico ou filosófico, 
raramente conseguem aceitar as mais simplee obvias verdades 
se isso os obriga a reconhecer a falsidade de conclusões e conceitos 
que eles construiram, talvez com muito esforço. Conclusões pessoais que os  orgulham, que ensinaram para outros e encima das quais construiram suas próprias vidas". 

__________________________________________________________________________
Gostaria de fazer um COMENTÁRIO?... clique abaixo no link, escreva e mande

De cuerpo y alma

quarta-feira, 18 de junho de 2014


Dios mueve al jugador, y éste, la pieza. 
¿Qué Dios detrás de Dios la trama empieza 
de polvo y tiempo y sueño y agonía?
- Jorge Luis Borges -

*Por Alú Rochya

El axioma es tan simple como certero: estar en este mundo sin ser de este mundo. Una perla de la doctrina sufí. Breve, redonda, perfecta, brillante. La frase encierra una síntesis magistral de lo que pretendieron explicar millones de palabras atesoradas en los denominados libros sagrados. Apenas 9 vocablos constituyendo un cartel luminoso que constrasta con las sombras en las que se fue desvaneciendo el objetivo original de las religiones: re-ligar el alma -extraviada en el territorio laberíntico y limitado de la carne- con el infinito flujo espiritual, con el hilo de plata que la conecta con la fuente esencial y por ende con todo el universo. Mantener al ser humano ligado a la consciencia cósmica.

Estar en este mundo sin ser de este mundo. El mensaje es más o menos el siguiente: juega con la tierra, pero aún tapado de polvo, hecho polvo, acuérdate que no eres sólo tierra. Eres, ante todo, el jugador. Métete en el lodo, chapalea en el barro, y aún cuando salgas cubierto de barro, hecho barro de los pies a la cabeza, recuerda que no eres apenas el barro, recuerda que el barro lo hace, lo mueve, el jugador. El jugador trae-lleva en sí la esencia del ser humano

El humano está hecho de humusde tierra negra, tierra fértil, y el jugador (espíritu) es el portador de la semilla (alma), el que trae el proyecto del fruto, de lo que viene a florecer en la Tierra. El jugador trae en la semilla la esencia del Ser, el espíritu del Gran Espíritu, que quiere probarse y revelarse germinando en el humus. El jugador es el medio para que Dios pueda jugar y experimentarse en la condición humana, en los valores y disvalores, virtudes y defectos, abundancias y carencias, bellezas y miserias, luces y sombras del terráqueo.

El humus -ya hecho carne- es el medio/veículo del jugador invisible. El humus es todo lo que se ve. Como el gesto tierno de una madre, la mirada asesina de un amante, el puño en alto del vencedor, la cabeza gacha del derrotado. Todo eso que se toca. Como el hombro de un amigo, el pecho de una mujer o la cara de un niño. Lo que se huele, como el olor a tomillo y a cocina, el hedor de un basural, el singular aroma de la piel de un bebé o un excitante prófumo di donna. Todo lo que oímos, como el sonido estridente de una bocina que nos hace vibrar la oreja, la música celestial de Bach, el rugido inigualable de una tribuna anunciando un gol. Lo que se saborea, como un buen vino, las aguas amorosas de una ninfa, el ardiente falo de un amador, las lágrimas saladas de una amargura o el postre de la abuela.

Lo esencial es invisible a los ojos
Lo que se ve es lo que la carne-ojos, la carne-oídos, la carne-boca, la carne-mano, la carne-nariz registra y procesa, como datos concretos de la realidad concreta, material, terrena, de este mundo. Los sentidos que nos posibilitan sentir las experiencias del paso breve y circunstancial por este planeta y darle un sentido. Pero lo esencial es el resultado de todo eso, lo que nos pasa con todo eso, lo que sentimos con todo eso, lo que todo eso significa.

Si el postre de la abuela es procesado apenas con el sentido del gusto no pasa de una colación, una mera golosina, que bien puede fabricarse en serie por desconocidos operarios y comprarse en la delicatessen de la esquina. El postre de la abuela será realmente el postre de la abuela cuando llegue al fondo de mi corazón.

Porque, en verdad, el postre de la abuela cobra un significado especial casualmente porque lo hace la abuela. Y cuando la abuela nos sirve esa singular sobremesa, en ese platillo nos trae un mundo inmenso, infinito, pletórico de sentimientos, imágenes, emociones, sensaciones que pasan por nosotros como una ráfaga sideral. Es mucho más que un sabor. Olores, colores, dolores, ternuras, alegrías, decepciones, temores, bienvenidas, adioses, cariños, juegos, gritos, retos, ritos, travesuras, amparos, desamparos y un sinfín de símbolos y representaciones que nos llegan al alma, vaya a saber desde dónde, desde cuándo.

Todo eso que nos pasa, invisible a los ojos, es lo que el jugador percibe, lo que el jugador-esencia intuye, lo que el jugador-alma registra y procesa, como datos de una realidad intangible, misteriosa, de otro mundo.

Aura y carne. Alma y cuerpo. Libreto y personaje. Idea y acción. Proyecto y realización. Espíritu y materia. Una sociedad perfecta, un dúo sin igual. 

Pero a menudo el duo desafina, se disocia. Y en esa escisión, en esa separación, comenzamos a vivir la prometedora dualidad como una ambigüedad. Y lo ambiguo confunde. Y en la confusión nos desesperamos y sufrimos. 

Porque la dualidad es como una moneda, son dos caras de una misma cosa. Cara y ceca, cuerpo y alma, de un único e indivisible ser humano. Para conseguir algo no podemos entregar apenas una cara de la moneda, pues no sólo sería la mitad de la moneda, simplemente dejaría de ser una moneda y habría perdido así todo su valor intrínseco.


En el ajedrez de la vida el jugador (espíritu/alma) es el que mueve la pieza (cuerpo). Así es, en cada plano del cosmos, ascendiendo en un espiral de infinitas dimensiones que empieza aquí, en este hombre de oscura tierra y llega allá a un punto de un Dios de luz, en el misterioso centro de nuestra galaxia. Y desde ahí, sube quién sabe adónde (¿Qué Dios detrás de Dios la trama empieza de polvo y tiempo y sueño y agonía?...).

"Estar en este mundo" significa asumir el cuerpo que tenemos y su maestría biológica como un instrumento (una pieza) que nos permite jugar el juego para alcanzar todo tipo de realizaciones. "Sin ser de este mundo" significa asumir el alma (el jugador cósmico) y su divino proyecto, que traemos desde algún allá para hacerlo realidad en este acá. Y volvernos allá hechos mejores, con nuestro diamante más pulido, más evolucionados, más iluminados.

Vivir esta vida a pleno es mantenerse indivisible en cuerpo y alma. Prestar toda nuestra atención a lo que dice y pide el alma y con el cuerpo traducir esos sueños en realidades concretas. Saber que, en definitiva, acá estamos encarnados en un animal, pero que no somos de acá, en verdad somos una entidad de allá, un animal de galaxiat 
__________________________________________________________________________
Gostaria de fazer um COMENTÁRIO?... clique abaixo no link, escreva e mande.

Tem reggae em Abbey Road

segunda-feira, 16 de junho de 2014


Os Beatles já entraram para o que se conhece como música clásica, que é aquela que perdura no tempo, que assim como o tempo não para ela vai acompanhando o tempo e também não para. O som dos Beatles é ouvido a toda hora, em todo canto do mundo. E tocado nos mais variados ritmos. Aqui vai uma demonstração: Because, a bellíssima canção de John Lennon, em ritmo de reggae acompanhado por imagens da rua Abbey Road. Uma deliciosa mistureba... Experimentet 
__________________________________________________________________________
Gostaria de fazer um COMENTÁRIO?... clique abaixo no link, escreva e mande.


Nem homem nem mulher, e daí?

sábado, 14 de junho de 2014

Androginia maltratada

*Por Alú Rochya


Sasha (na foto acima) foi, incrívelmente, vítima da ira de pessoas que atearam fogo em seu corpo por usar vestimentas de gêneros diferentes: uma saia (habitual trapo de mulheres) e uma camisa, digamos, de "corte masculino". Aconteceu em São Francisco, Estados Unidos. A garota ia para a escola num ônibus público tirando uma soneca e acordou no desespero de assistir suas roupas queimando e a dor infinita da pele assando. Lesões de 2do. e 3er. grau deixaram a menina@ internada durante um mês no hospital. 

Questão complexa que vai mais além do branco ou preto, a sexualidade é uma coisa delicada e personalíssima que deveria ser extremamente respeitada, como parte do respeito absoluto que todo ser vivo merece. Porque isso não acontece?  Vai uma resposta pertinente ao caso: pesquisadores descobriram que aqueles que vivem nem como homem e nem como mulher são os que mais sofrem com a discriminação e a violência dentre aqueles que fazem parte da comunidade LGBT, pois a determinação de permanecer aparentemente indefinível provoca e irrita aqueles desconfortáveis ​​com as normas de gênero. Pode???...

Quer dizer que as pessoas ficam tranquilas se conseguem colocar você nas suas caixinhas bem definidas de homem ou mulher. Mas se elas não puderem ter para se mesmas uma definição ajustadinha daquilo que você é, elas ficam, simplesmente, putas da vida. 

E o que tem a ver você com elas? Você é você, elas são elas. Sequer conhecem você como nem conheciam Sasha. Pareceria, então, que nada a ver, né? Porém... Acontece que essas pessoas podem ver no outro o que elas mesmas são e têm mas não se atrevem a revelar. Aí o outro se converte num espelho cruel. Aqueles que partiram para jogar fogo em Sasha pensam inconscientemente: "filha da puta, quem é você pra sair assim, com essa liberdade toda, curtindo o que você é... eu me reprimo, me escondo até de mim e sofro muito por não me atrever a ser como eu sou e você vem aí, com essa frescura toda, a me acusar de covarde... ô canalha, miserável, você merece é morrer"...

Androginia maltratada

De um modo geral, todos somos gays, potencialmente bissexuais ou panssexuais ou andróginos. Potencialmente somos todo, depois escolhemos aquilo que melhor casa com a gente. Se uns querem curtir apenas uma parte das energias yang e yin  que todos somos, tudo bem. Se outros querem curtir o contrário do que indicariam seus genitais, ou então querem misturar, ou até ainda nem sabem direito o que desejam, ok, também tudo bem. Qual o problema? Qual o dano que essa pessoa faz? Ela está se reconhecendo, se procurando, tentando aprimorar suas condições para fazer o caminho de sua própria aprendizagem por este mundo. E isso, tão elemental, parece não ser fácil.  

Eu acho que um monte de gente gostaria de ver o gênero como esta escala de azul e rosa. Eu nunca realmente me identifiquei com ambos os lados ou mesmo entre o azul e o rosa. É muito mais complicado – minha identidade varia muito num determinado dia. Às vezes eu digo às pessoas que sou ouro ou algo assim”.

A reflexão entre aspas é de Emma, uma dos jovens fotografados pela fotógrafa Chloel Aftel, que  resolveu retratar adolescentes agêneros (ou não-binários, ou andróginos), com o intuito de dar visibilidade ao conflito. Se você quer dar uma espiadinha a fotos de outr@s menin@s tiradas pela Chloe, clique nesse endereço: http://mslove.co/retratos-de-jovens-que-se-identificam-como-sem-generost 
__________________________________________________________________________
Gostaria de fazer um COMENTÁRIO?... clique abaixo no link, escreva e mande.


Estar no mundo segundo Fromm

domingo, 8 de junho de 2014


Nessas montanhas tão longe do mundo ocidental onde o emperador é o silêncio  ou no meio do barulho infernal do último engarrafamento recorde de São Paulo com sus 344 km de contra-senso, a essência da vida é, práticamente, a mesma. Uma existência a ser experimentada do jeito mais proveitoso possível para os anseios da alma que manda em nós para descubrir, aprender e evoluir. O resto é balela. 

Tendo em conta isso, alguns caras especiais canalizam data do éter para possibilitar que a gente disponha de certas orientações que nos permitam andar mais tempo pelos trilhos certos que pelos caminhos errados. Um desses seres maravilhosos passou por este mundo sob o codinome de Erich Fromm, de quem os dados biográficos diraõ que nasceu na Alemanha junto com o século 20 e que foi psicoanalista, psicólogo social, filósofo humanista e, sobre tudo um anjo, que deixou algumas recomendações práticas para a gente não ficar marcando bobeira em quanto o coração bate no centro do nosso peito. Autor de livros paradigmáticos como O medo à liberdade e The Art of loving, Fromm também escreveu um didático tratado sobre o dilema básico e essêncial do ser humano na civilização materialista: Ter ou Ser. Vão aqui algumas sugestões contidas nessa obra:    
  • Abraçar uma séria disposição a renunciar a todas as maneiras de TER para poder SER plenamente. 
  • Sentir segurança na vida, ter sentimentos de identidade e confiança basados na fé naquilo que a gente é, na necessidade de relacionar-se com as pessoas, interessar-se nelas, amar, solidarizar-se com o mundo a nossa volta, em lugar de basar nossa vida no desejo de ter, possuir, dominar o mundo e assim acabar  virando escravo das posses.
  • Aceitar o fato de que ninguém nem nada exterior ao individuo lhe da significado a sua vida. A independência radical pode chegar a ser a condição da atividade plena, dedicada a compartilhar e  se interessar pela vida de seus semelhantes.
  • Sentir a alegria por dar e compartilhar em lugar de acumular e explorar.
  • Amar e respeitar a vida em todas suas manifestações, sabendo que o sagrado não é a coisa, o poder ni aquilo que está morto mas sim a vida e todo o que contribui para seu desenvolvimento.
  • Tentar reduzir na maior medida possível a cobiça, o ódio e os enganos. Desenvolver a capacidade de amar e o pensamento crítico não sentimental. 
  • Compreender que não existe desenvolvimento e evolução sadios se não se dispõe  de uma estrutura  porém saber reconhecer também a diferença entre a estrutura como atributo da vida e a "ordem" como atributo de não viver, como atributo da morte.
  • Desenvolver a imaginação, não para escapar das circunstâncias intoleráveis da vida mas para antecipar as possibilidades reais que possam ser utilizadas para suprimir os cenários desfavoráveis. 
  • Não enganar mas tampouco se deixar enganar por outros. Pode-se admitir ser chamado de inocênte mas não de ingênuo.
  • Perceber a união de tudo na vida e, por tanto, renunciar a qualquer meta de conquistar a natureza, someté-la, explorá-la, violá-la, destruí-la. Em vez disso, tentar compreender a natureza e cooperar com ela.
  • Gozar de uma liberdade não arbitrária mas daquela que nos ofereça a possibilidade de ser um mesmo, não apenas um pacote de ambições mas sim uma estrutura delicadamente equilibrada que a todo momento de sua vida encara a alternativa de se desenvolver o decair, viver ou morrer.
  • Compreender que o mal  e a destruição são consecuências necessárias do não crescimento, do não desenvolvimento.
  • Saber que somente alguns poucos alcançaram a perfeição em todas essas qualidades e SER sem praticar a ambição de chegar a meta nenhuma porque essa ambição é tão só outra forma de cobiçar e de ter.
  • Ser feliz no processo de viver cada dia  porém sem se importar com os avanços que o destino nos permita obter, porque viver tão plenamente como seja possível resulta em se mesmo tão satisfatório que é à toa andar focado nos resultados e metast 
__________________________________________________________________________
Gostaria de fazer um COMENTÁRIO?... clique abaixo no link, escreva e mande.